Pesquisa diz que tempo de amamentação pode interferir se bebê será canhoto ou destro

O primeiro alimento dos bebês é o leite materno. É neste momento também que a criança aumenta o vínculo com a mãe. Outra coisa é que o leite é tão rico que nenhum outro alimento possui os mesmos valores nutricionais com vitaminas, gorduras, proteínas, sais minerais e anticorpos.

Por isso mesmo, a recomendação da Organização Mundial da Saúde é que o bebê receba este leite de forma exclusiva até os seis meses de idade. Depois deste período, outros alimentos podem ser incluídos na dieta e o leite deve permanecer até, pelo menos, os dois anos.

Além do valor nutricional, a amamentação fortalece o sistema imunológico e traz reflexos ao longo da vida. Um deles é a mão principal de uso do indivíduo. É isso mesmo! E os cientistas comprovaram que isso pode interferir no fato dele ser canhoto ou destro!

Segundo um estudo com dados de mais de 60 mil mães e filhos, os que receberam leite do seio têm mais chances de serem destros.

O estudo

As informações colhidas sobre a duração da amamentação no peito e também com o uso da mamadeira foram usadas pelos cientistas.

Os estudiosos chegaram à conclusão de que quando os bebês eram alimentados através do peito por mais de 30 dias, tinham 9% menos probabilidade de serem canhotos. Já quem foi amamentado por seis meses, teve 15% menos chance.

E por fim, quem mamou no seio da mãe até os nove meses, tinha 22% menos expectativa de usar melhor a mão esquerda. Depois deste período, não houve associação dos bebês serem destros ou não por meio da influência da amamentação.

A conclusão dos cientistas foi de que o tempo chave para determinar se a pessoa será canhota ou destra por meio da relação com a amamentação é até os nove meses

“Descobertas anteriores sugerem que o período crítico de lateralização cerebral, a janela de tempo em que a lateralização do cérebro é suscetível à nutrição, começa em algum momento antes do terceiro mês do útero. Agora, mostramos que esse processo da lateralidade termina antes dos nove meses de idade,” explicam os estudiosos.

A amamentação faz com que seja aperfeiçoada a lateralidade (controle dos lados do corpo juntos ou separados e diferenciação entre direita e esquerda), ação importantíssima e primordial que faz com que sejamos canhotos ou destros e pode ter ligação direta a capacidade de dominar um ou outro lado do hemisfério cerebral.

Mas vamos com calma…

Apesar de ser um possível indicador de qual será a mão principal do indivíduo, apenas a amamentação não é suficiente para definir se o bebê será destro ou canhoto.

Outros fatores também podem afetar na lateralização, como a genética, por exemplo.

Benefícios da amamentação

Como já dito antes, não existe nenhum alimento tão completo quanto o leite materno.

Entre as principais vantagens estão: o desenvolvimento intelectual, queda na chance de óbito por diarreias, redução da chance do bebê se tornar um adulto obeso, além da diminuição nos riscos de doenças crônicas.

Quando a mamadeira é indicada

Apesar de ser muito criticada por alguns médicos, a mamadeira tem sua boa função.

A substituta do seio da mãe deve ser inserida quando o bebê não pode receber o leite materno, como morte da mãe, medicamentos que podem prejudicar a vida da criança, portadoras de HIV, entre outros.

Possíveis problemas com a mamadeira

Segundo especialistas, a mãe deve zerar todas as chances do bebê receber leite materno antes de oferecer a mamadeira.

É que o bico artificial precisa de uma forma de sugar diferente do seio materno e isso pode confundir a criança que desmama antes da hora, contribuindo para o aumento da taxa de mortalidade infantil.

Outros pontos possivelmente afetados são problemas na respiração, distúrbios do sono e até déficit no aprendizado.