Os filhos devem ter tarefas extraclasse em casa? 7 formas de pensar!

Os filhos vão crescendo e passando por diversas etapas da vida. Em determinada idade, por exemplo, eles têm as aulas nas escolas, começando na educação infantil até o ensino superior.

Agora, uma dúvida bem frequente para os pais é sobre quando eles estão na escola: se deve adicionar tarefas extraclasse para os pequenos ou deixar apenas se desenvolverem de acordo com o que pedem na escola?

Para encontrar a melhor resposta, temos uma lista com 7 reflexões que devem ser feitas. Confira agora mesmo!

1 – Analise o que falta na escola

Na escola, o nosso filho não terá acesso a tudo, portanto é bem importante que os pais analisem de fato como é o sistema de ensino de onde a criança está matriculada.

A partir disso, veja os “buracos” deixados para que seja adicionado uma espécie de reforço escolar em casa.

Por exemplo, se na escola o foco maior for humanístico, devemos colocar na rotina dele um algo a mais em matemática – e vice-versa.

2 – Mantenha sempre o diálogo

A base de tudo é sempre a conversa. É natural que nossos filhos não queiram fazer alguma atividade ou até mesmo parar com algum projeto, por isso, cabe aos pais conversar com os pequenos.

Aliás, ouvir eles e saber o motivo do desinteresse é uma boa alternativa. Dá para encontrar respostas assim como saber se tem algo que podemos mudar no aprendizado.  

3 – Descubra o gosto da criança

É muito importante colocar a criança em atividades que ela goste. E o lado bom é que isso pode ser estimulado.

Por exemplo, todos sabemos que o inglês é importante, então, se o pequeno for estimulado a gostar da matéria poderá atrair uma vontade a mais para que a criança goste do idioma.

Vale lembrar que o seu filho deve opinar nas atividades e junto com os pais escolher o que é melhor para ocupar o tempo livre.

4 – Complemento

Não apenas as já citadas aulas de inglês, mas outras atividades são importantes, como natação, balé, futebol e muito mais.

Cabe aos pais e ao filho escolher as atividades e assim montar uma rotina agradável a todos – pensamento também nos custos disso, mas especialmente no que vai gerar de valor no longo prazo.

Mas lembre-se sempre: não devemos deixar a agenda do nosso filho em excesso, isso pode ser prejudicial a saúde e infância dele.

5 – Professor não é babá

A educação é a base de tudo e sim, ela vem de casa.

Os professores não são babás, então devemos ter atenção a esse ponto.

Outra questão é o transporte: não adianta colocar a criança em atividades que será difícil de levar e buscar ou de pagar por um transporte.

O fato de ficar esperando os pais após as aulas, sempre sendo o último, pode ser frustrante e desanimar o pequeno.

6 – Saiba dosar o tempo

Se notar que o seu filho está diferente, apresentando cansaço, mau humor e até mesmo dificuldades para desempenhar as atividades, considere que esse é um sinal de que tudo está sobrecarregando o pequeno.

Saiba dosar o tempo, isso é importante, tanto quando o temo de descanso, que é fundamental.

7 – Hora da brincadeira

A criança deve ter um momento para as brincadeiras.

Então, a recomendação não é encher o pequeno de atividades, matricular em mil coisas e não deixar um espaço para que possa ser criança de verdade, portanto, respeite esse momento.

E por falar em momento, jamais esqueça do momento da família.

Fazer atividades reunidos, todos juntos, também é algo que estimula e muito as crianças. Separe um tempo para essa união, pois todos só têm a ganhar com isso.