Operação de € 910 milhões põe Tom Tom na dúvida…

A empresa TomTom anunciou uma venda da sua área de gestão de frotas no valor de € 910 milhões. Os compradores foram o grupo japonês Bridgestone.

Porém, mesmo com essa atividade, o presidente executivo da empresa europeia de navegação ressaltou que a empresa seguirá independente e que ainda irá crescer muito os seus negócios com mapas digitais.

O problema é o Google

Uma das maiores empresas do mundo também entrou no segmento de vendas de mapas para montadoras de veículos, o Google e, com isso, a TomTom acabou sofrendo uma grande reviravolta.

Isso porque a sua principal concorrente conseguiu ótimos acordos com a Volvo e a Renault.

Segundo o presidente executivo e fundador da TomTom, Harold Goddijn, a entrada do Google nos negócios é assustador, porém ajuda a empresa a focar e ter ainda mais atenção nos seus produtos.

Tudo isso ocasionará em uma decisão na sua empresa sobre qual é o seu real posicionamento, já que brigará com rivais muito maiores, como por exemplo a Here e o Google, em um ambiente que ainda é muito incerto e com uma evolução rápida.

Novas vendas?

Goddijn ainda não descartou que a TomTom irá a venda em um futuro próximo, mas disse que de qualquer maneira a empresa continuará sendo totalmente independente.

Ainda segundo ele, toda a lucratividade da companhia está bem assegurada com as receitas de licenciamento, todas apoiadas por clientes bem importantes, como por exemplo, a Apple.

A empresa

A TomTom é uma empresa que foi fundada por quatro pessoas em 1991, sendo Peter-Frans Pauwels, Harold Goddijn, Pieter Geelen e Corinne Vigreux, com os 3 primeiros ainda presentes no grupo.

Buscando sempre o desenvolvimento de um software para os dispositivos móveis, eles enfrentaram diversos desafios, pois na época a tecnologia não era nem perto da atual.

Durante os primeiros 5 anos da empresa, esse foi o único foco: desenvolver softwares para dispositivos móveis, até mesmo com um leitor de código de barras.

Após isso, o grupo passou a buscar desenvolver softwares para PDAs.

Harold Goddijn

10 anos após a fundação da empresa, Harold Goddijn foi nomeado como CEO, mudando o direcionamento do negócio para a navegação em automóveis, com o primeiro produto sendo para PDAS, o TomTom Navigator, lançado em 2002.

No produto, tinha um pacote que contava com recepção GPS e um fixador. As vendas foram um sucesso, chegando a atingir a marca dos 8 milhões de euros ainda em 2002.

Os números da TomTom

Atualmente, a TomTom é uma empresa de capital aberto, com sede em Amsterdã, na Holanda. Harold Goddijn é o Diretor executivo, Peter Wakkie o Presidente do conselho fiscal e Alain De Taeye é membro do conselho de administração.

Ao todo, são mais de 4.400 empregados na empresa, que tem como forte os programas de navegação e receptores para GPS, Mapas Digitais, Câmeras de Ação e os Relógios Esportivos.

No último levantamento, feito em 2014, a TomTom apresentava um lucro de 22 milhões de euros, para um faturamento anual de 950 milhões de euros, com dados no mesmo ano.