Objeto que poderia revelar origem dos planetas é encontrado no Sistema Solar

E se cientistas encontrassem um corpo perdido no Sistema Solar que pudesse ajudar a descobrir como os planetas foram formados? Muito legal, não é? Cientistas do Observatório Astronômico Nacional do Japão estão no caminho disso.

Eles descobriram um objeto ali perto da borda do Sistema Solar, no chamado Cinturão de Kuiper, que deve ajudar a esclarecer a origem dos planetas e auxiliar a descobrir onde é que estavam esses corpos durante todas essas décadas.

Para a descoberta foram necessários dois telescópios de vinte e oito centímetros no telhado de um prédio. Foi assim que os cientistas encontraram o corpo de 1,3 quilômetro de raio.

A técnica usada por eles foi uma conhecida como ocultação. Eles ficam de olhos em objetos se momento na frente das estrelas. No momento em que o objeto passa, ele bloqueia a luz da estrela.

Para encontrar o corpo, foram vistoriadas duas mil estrelas por cerca de 60 horas.

“Nossa equipe tinha menos de 0,3% do orçamento de grandes projetos internacionais, e nem tínhamos dinheiro suficiente para construir uma segunda cúpula para proteger nosso segundo telescópio, mas ainda assim conseguimos fazer uma grande descoberta”, comentou Ko Arimatsu, que liderou o projeto, em entrevista à Forbes.

Sobre o corpo encontrado

O corpo mede 2,6 quilômetros de diâmetro. O dado é da pesquisa que foi publicada na Nature Astronomy (a pesquisa na integra está disponível em inglês aqui.

Essa descoberta sustenta modelos de que pequenos planetas começaram como objetos do tamanho de quilômetros antes de crescerem bastante.

Esse corpo foi observado pela primeira vez apesar dele ter sido previsto por mais de setenta anos. Foi encontrado agora no Cinturão de Kuiper. É um lugar onde há vários pequenos objetos flutuando. Eles são considerados as “sobras” do Sistema Solar primitivo.

Eles preservam muito do que eram naquela época porque ficam bem longe e quase não são prejudicados pela radiação.

É por isso que os astrônomos têm uma crença: a de que podem “voltar no tempo” para entender a formação e a origem dos planetas. Segundo eles, a descoberta indica que os objetos que podem depois se tornar um planeta começaram assim: em aglomerados do tamanho de um quilômetro antes de se unirem para algo maior.

Imagens

A tecnologia permite que as imagens sejam sempre mais precisas. No final de janeiro desse ano foi publicada também na revista Galileu a notícia da imagem mais profunda já feita no universo. 

Os responsáveis foram astrônomos do Instituto de Astrofísica das Ilhas Canárias (IAC). Eles criaram essa imagem, que mostra o brilho de 10 mil galáxias e faz menção a 13 bilhões de anos passados.

O mosaico conta com centenas de imagens tiradas pelo Telescópio Espacial Hubble, da NASA. No período entre setembro de 2003 e janeiro de 2004. É chamado de Hubble Ultra Deep Field.

Pesquisadores já fizeram várias versões profundas do universo usando diferentes técnicas. Essa nova reformulação é resultado de quase três anos de trabalho. Eles usaram uma artimanha que é capaz de preservar as propriedades do baixo brilho da superfície.

“O que fizemos foi voltar ao arquivo das imagens originais, diretamente como observado pelo Hubble, e melhorar o processo de combinação”, explicou Alejandro S Borlaff, líder do projeto, em comunicado.

“Visando a melhor qualidade de imagem não só para as galáxias menores, mas também para as galáxias mais distantes.”