Indeed mostra que Geração Z deve deixar Brasil para crescer na indústria da tecnologia

São Paulo mais uma vez foi palco em fevereiro da Campus Party, o evento dedicado à inovação e à criatividade de jovens talentos que teve a sua 12ª edição. Foram 5 dias que atraíram mais de 130 mil pessoas e diversos especialistas em diferentes assuntos.

Esse assunto de tecnologia é cada vez mais debatido no Brasil e pode sempre abrir portas no mercado de trabalho. Para ter um panorama da situação no país, o Indeed – o site de empregos número um do mundo – encomendou uma pesquisa da Toluna Insights.

Esse estudo mostrou que a maioria dos participantes das gerações Z e Millennials que trabalham ou estudam na indústria da tecnologia, acham que a única maneira de se darem bem nas carreiras é saindo do Brasil.

Números

Mais de 1 mil brasileiros foram ouvidos e foi constato que apenas 16,6% das pessoas que têm mais de 55 anos trabalhando nesse setor de tecnologia acreditam que sair do país seja essencial para se ter sucesso profissional.

O que chamou mais ainda a atenção nessa pesquisa foi que o número dispara para 51,1% considerando quem tem entre 18 e 34 anos.

Quem tem menos de 18 anos e respondeu às perguntas, a porcentagem vai para 66,6.

 O que isso quer dizer na prática? Que a Geração Z realmente pensa que deixar o Brasil pode ajudá-la a prosperar nessa indústria tecnológica.

Na realidade…

Os resultados vêm à tona mesmo quando a Campus Party continua em crescimento no Brasil atraindo mais e mais gente.

Em 2019 foram organizadas mais de 1 mil horas de conteúdo com 900 palestrantes e quase 250 workshops. Isso significa que não tem falta de interesse por que mora aqui, muito menos de talento.

“Os resultados mostram claramente uma percepção diferente entre faixas etárias, enquanto gerações mais velhas confiam que o sucesso pode ser alcançado aqui, as gerações mais jovens estão menos convencidas”, disse Felipe Calbucci, Country Manager do Indeed no Brasil.

“No Brasil, esse conceito ainda está sendo descoberto, e é importante que as empresas percebam o valor agregado de poder desenvolver e exibir sua marca empregadora, a fim de aumentar a atração e retenção dos melhores talentos e o sucesso geral dos negócios”.

Mais dados

Ainda falando sobre dados, 2017 registrou o recorde de 302 mil brasileiros estudando no exterior.

Isso pode ter acontecido justamente por causa dessa crença entre os jovens da Geração Z, de eu eles precisam ir embora daqui para conseguir crescer profissionalmente.

Cerca de 70% das pessoas que tem menos de 35 anos responderam na pesquisa que o empreendedorismo no Brasil pode ajudar a criar empregos para os moradores e, consequentemente, ajudar a desenvolver o país.

Ou seja, as pessoas ainda vêm outras vantagens potenciais, mesmo tendo outro pensamento.

“O que podemos ver em nosso estudo é que, para os candidatos, ter o emprego certo tem grande impacto nas suas vidas e bem-estar”.

“Para os empregadores e nossa economia, é um fator crítico de crescimento. Enquanto a Geração Z e a Geração Y, como as gerações mais antigas, apreciam os benefícios do empreendedorismo no setor de tecnologia, suas motivações para entrar na indústria podem ser diferentes”, acrescenta Calbucci.

Ser rico?

A metade dos entrevistados com menos de dezoito anos falaram que ser rico era o principal motivo para ir embora tentar uma carreira empreendedora.

Nenhum entrevistado com mais de 55 anos considerou o desejo de ser rico como a principal razão para ser empreendedor.

A resposta das pessoas acima de 55 anos que se destacou na pesquisa foi o desejo da liberdade do formato tradicional de trabalho.

Logo depois, o desejo de ajudar o Brasil a crescer e a melhorar.

A pesquisa mostra, portanto, uma nova geração de talentos com foco maior no interesse próprio e não na coletividade.