Golpistas e Fraudes se proliferam no Instagram

Já são mais de 1 bilhão de usuários dentro do Instagram. Podemos dizer que o Instagram já se tornou muito mais que uma simples rede social. Recentemente, observou-se uma crescente proliferação de vendedores, pequenos negócios, golpistas e fraudes. Na atualidade, já existem mais de 25 milhões de contas do Instagram voltadas somente para comércio.

De acordo com dados de 2017, 200 milhões de pessoas visitavam frequentemente um perfil de negócios no Instagram. Porém, os números de 2015 dão conta de que 60% dos “instagramers” descobriam novos produtos dentro da plataforma com frequência. Contudo, não existem números exatos sobre o valores movimentados por esse comércio.

Golpistas e Fraudes se proliferam no Instagram
Golpistas e Fraudes se proliferam no Instagram

Um grande número de ofertas vêem crescendo a cada dia dentro do Instagram. Em outras palavras, todo cuidado é pouco quando se trata de adquirir qualquer oferta dentro das redes sociais. Denúncias de fraude estão aumentando dia após dia, com isso aumenta também o número de pessoas lesadas. Muitos produtos que não estão de acordo com a realidade e até mesmo que nunca chegam a seus compradores existem aos montes.

Quais são as políticas do Instagram?

Atualmente, existem 2 tipos distintos de contas no Instagram: As contas pessoais e as contas business ou contas comerciais. Contudo, não existe nenhuma restrição para se transformar um conta pessoal em conta comercial. O recomendado pelo Instagram é vincular a conta comercial do Instagram a página de negócios dentro do Facebook, este por sua vez, proprietário do Instagram.

A conta comercial do Instagram dá acesso a maiores informações e estatísticas ajudando a entender melhor a audiência. Entretanto, nas políticas de uso, especificamente falando sobre spam, aparecem informações contraditórias. O Instagram informa que não tolera que os usuários abordem perfis com o intuito de venda, estranho né?

Em contrapartida, no Facebook, também existem as mesmas informações sobre as políticas de segurança. Consta no Facebook que promover conteúdo falso, sensacionalista ou com objetivo de lesar são proibidos. Compras realizadas pelo Instagram, geralmente são finalizadas dentro dos sites parceiros da empresa que está vendendo o produto. Entretanto, o Instagram já anunciou que o recurso de finalizar a compra dentro do app logo estará disponível.

Cuidados ao comprar pelo Instagram

Especialistas continuam batendo na mesma tecla: Cuidados com compras online servem para qualquer site, inclusive o Instagram. Vamos a algumas dicas de segurança fornecidas pelo advogado Igor Marchetti do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, o IDEC.

  • Verificar o CNPJ da empresa para certificar-se de que ele está ativo junto a Receita Federal.
  • Dar uma passadinha nos sites do “Reclame Aqui” ou do Procon para verificar reclamações posteriores de clientes sobre a empresa.
  • Existe uma lista chamada “evite esses sites” do Procon, verifique-a!
  • Certificar-se de que a empresa é brasileira pois o código de defesa do consumidor não se aplica a empresas estrangeiras.
  • Fazer registros de todo processo de compra com prints.
  • Evitar comprar por impulso.
  • Verificar a existência de canais de atendimento e suporte.
  • Faça compras somente através de um computador seguro e nunca utilize computadores de terceiros ou redes compartilhadas.
  • Não leve em consideração número de seguidores para a compra já que eles podem ser falsos.
  • Evite pagar por boletos ou transferência online.

Não devo confiar no número de seguidores?

Primeiramente, a resposta para essa pergunta é não! Existem serviços atualmente que aumentam o número de seguidores artificialmente. Basta pagar para ver seu número de seguidores aumentar aos milhares. Em segundo lugar, várias lojas usam promoções como estratégia para aumentar seus seguidores sem construir uma clientela real.

Se você foi engando por algum anúncio dentro do Instagram, primeiramente, procure uma delegacia do consumidor. Entre imediatamente com uma ação contra o sujeito ou a empresa que lhe vendeu tal produto. Existem portanto, artigos no código de Defesa do Consumidor que protegem consumidores de produtos online.

Saiba mais sobre em nossa sessão Tecnologia. Até o próximo!