Gamificação ajuda a mudar comportamento das pessoas

Você já ouviu falar em gamificação? O termo tem relação com jogos e costuma ser usado para apontar as características deles em alguma atividade que a gente faça no dia a dia. É uma técnica que ajuda no envolvimento das pessoas e na motivação delas para que alcancem algum objetivo.

Para entender melhor: é muito mais fácil convencer uma criança a participar de um game do que fazer um exercício da escola, por exemplo. Por isso, muitas instituições de ensino passaram a usar mecanismos de jogos para incentivar a molecada.

Não necessariamente foram criados os jogos, mas surgiram elementos deles no cotidiano dos alunos. Pontuação, troféu, quadro de liderança, e por aí, vai… Tudo isso se encaixa em gamificação.

Gamificação no setor elétrico

Agora que você já está por dentro desse assunto, saiba que essa técnica tem sido usada em diversas áreas, inclusive mostrou um grande potencial ao ser usada no setor de utilities. Vários casos de uso de gamificação para criar soluções para eficiência energética já foram registrados.

Segundo informações da Internacional Energy Agency (IEA), o crescimento de energia elétrica mundial até 2040 deve ser superior a 25%.

As pessoas são bem dependentes de energia elétrica, por isso, essa dependência pede também que sejam feitas campanhas que mostrem a importância da preservação de recursos naturais e da economia de energia, principalmente em horários de pico.

As distribuidoras alegam que é difícil definir programas que realmente promovam esses ideais, em especial quando se trata de energia dentro da nossa própria casa.

Tentativas

Investir na divulgação de informativos relacionados ao consumo consciente é uma das estratégias adotadas frequentemente pelas distribuidoras.

O resultado disso, no entanto, nem sempre é capaz de promover mudanças de comportamento. Adotar medidores inteligentes de energia elétrica, segundo especialistas, pode ajudar na equação.

Diferentemente dos medidores normais, que medem o consumo periodicamente, neles dá para ver o consumo em tempo real. Então não tem necessidade de esperar o fim do mês para conferir o quanto está gastando.

Os moradores acessam o sistema a qualquer momento e já podem tomar ações imediatas para controlar o uso. A substituição também tem um efeito limitado sobre o comportamento das pessoas. Vem daí a necessidade de estratégias complementares para aumentar o engajamento dos usuários.

Preferência pela gamificação   

Usar panfletos informativos e medidores diferentes e mais tecnológicos de energia pode dar mais resultado no modo de agir das pessoas se associados à técnica de gamificação. Aliás, há a comprovação de que essa técnica é boa para muita coisa.

Ela já vem sendo usada pela Thames Water, empresa de abastecimento de água em Londres. A empresa precisava mapear medidores de água em uma determinada área e criou para isso uma experiência parecida com um jogo de caça ao tesouro.

O objetivo era motivar clientes e funcionários a fazer a tarefa. Eles tiveram a ideia até de usar um aplicativo de celular para as pessoas registrarem a localização dos equipamentos. Tinha pontuação pelo número de medidores, pela quantidade de dados coletados e até prêmios.

Virou uma espécie de competição.

Outra empresa, a californiana Bidgely, também usou o cenário da gamificação. A empresa transformou em um jogo o problema do controle da demanda e a questão da economia de energia.

O jogo mesclava informações sobre consumo em tempo real com itens de jogos. As pessoas tinham que definir estratégias para conseguir economizar. O resultado disso foi uma economia de 30% na hora do rush.