RJ inaugura a 1º escola-estúdio de games da América Latina

Já imaginou uma escola onde o aluno, além de estudar, pode estagiar, gerar renda e abastecer a indústria nacional de jogos?

O Rio de Janeiro, mais especificamente, a Tijuca, agora conta com a primeira escola-estúdio de games da América Latina. É uma escola que ensina a criar games e transforma brincadeira de criança em fonte de renda.

Para você entender melhor, é um ambiente muito tecnológico que tira o fôlego de todas as idades.

A escultura hiper-realista tem três metros e foi desenvolvida com a mesma técnica utilizada no Madame Tussaud, o maior museu de cera do mundo.

É nesse local todo diferente que os alunos vão aprender, estagiar e criar jogos para o mercado de entretenimento, um dos que mais cresce no Brasil.

Mercado financeiro

Em 2018, o setor de games no país movimentou US$ 1,5 bilhão, isso manteve o Brasil como líder da América Latina e em 13º lugar no ranking de todos os países.

Com o crescimento dessa indústria de jogos no Brasil, a ZION – escola focada no digital -, prepara os alunos para atuar nessa área e joga na expansão do grupo.

A empresa inaugura a sétima unidade da escola. A expectativa é que tenha um total de 77 escolas no Brasil em 2030.

Funcionamento

A ZION pensa no público Geek e, por isso, pensou nessa primeira escola-estúdio de desenvolvimento de games. Aproximadamente 1500 alunos serão atendidos no local, distribuídos em 15 turmas.

Tem as salas de aula e fora delas, o espaço conta com uma arena de games que é aberta ao público.

Com o design bem futurista, a arena é capaz de levar experiências de realidade virtual do Star Wars e conta com uma impressora 3D para criação de bonecos e colecionáveis também.

Uma escultura hiper-realista também faz parte do espaço.

Ela tem 3 metros e foi desenvolvida com a técnica do museu de cera Madame Tussaud.

No Brasil existem esculturas desse gênero somente nos museus de Petrópolis, Gramado, Manaus, Foz de Iguaçu e Aparecida do Norte. E outras esculturas também estão espalhadas pela escola.

Elas surpreendem a cada andar.

Tem a Alana, guerreira do Esquadrão Z, o Gorila e ainda o Homem de Ferro. Todas elas são acompanhadas de efeitos de iluminação.

Aprendizado

Os alunos vão aprender todas as técnicas de criação de jogos em laboratórios projetados com piso escalonado. Há equipamentos diversos, computadores e cadeiras gamers.

Essa estrutura é para garantir um maior aprendizado.

O diretor da escola da Tijuca, Rogério Félix, disse que os alunos vão saber fazer de um jogo de tabuleiro até jogos mais tecnológicos usando realidade virtual e realidade aumentada.

“Para nós todo jogo é uma ferramenta de estudo, e para que nossos alunos possam aprender cada vez mais, contamos com os video games mais atuais, os eternos clássicos e simuladores de corrida”, explica o educador.

Ele conta ainda que o mercado pede profissionais especializados na produção de games e de conteúdo audiovisual.

“Hoje essa é a forma mais eficiente de se transmitir uma mensagem. Estudamos os anseios das empresas para que nossos alunos atendam de fato o que o mercado quer”, comenta.