Emprego:Diante da demissão

O que fazer ao receber a carta de demissão

Admissão e demissão é uma realidade da qual o trabalhador precisa estar ciente de que se está sujeito. É um momento desconfortável, quando no fim do dia, antes de encerrar o expediente, se recebe um comunicado para
comparecer ao setor de departamento de pessoal, dependendo do tempo de trabalho na empresa, da um frio na barriga e, mesmo com o pressentimento de que a temível má notícia está prestes a se tornar realidade, assinar o prévio não é bom. A menos que se esteja desejando uma demissão para que tenha o direito rescisório completo, incluindo o auxilio-desemprego, não é a notícia que se quer ouvir.

Muitos trabalhadores chegam a tomar a demissão como coisa pessoal, em um caso ou outro, é possível, mas não se trata da grande maioria, nem significa que o empregado não tenha capacidade ou é desqualificado. O que o
empregador busca nos funcionários, ao empregar alguém, são soluções para o seu negócio e a demissão pode ocorrer por vários fatores que envolvem até redução nas despesas.

Muitas pessoas após serem demitidos, sentem-se envergonhados de contar para a família e os amigos, entra em um estado de frustração e constrangimento que não tem motivos.

Esse é um momento em que se precisa respirar fundo e levantar a cabeça e investir a energia mental na mudança que está acontecendo, mantendo o foco nas possibilidades independente do grau de instrução.

Há muitas coisas possíveis para desenvolver em quanto não consegue o novo emprego, mas sempre lembrando que não deve ficar em casa descansando, contando com o pagamento da rescisão e se acomodar até encontrar
um novo trabalho. Isso é um erro. O tempo passa e deve-se considerar que caso não consiga uma nova recolocação o dinheiro acaba e as coisas tendem a piorar.

Para evitar transtornos, o desejável é pensar em algo que possa fazer nesse período. Fabricando bijuterias (muitas lojas que vendem a atacado ensinam como fazer), aprendendo a fazer chinelos artesanais, fabricando produtos para lojas pet em consignação como, por exemplo, colchões para os cães (para o fundo das casinhas), fornecendo quentinhas entre muitas outras opções autônomas que dependendo da demanda, pode até virar um negócio de família.

Boa Sorte!

Add Comment