E o seu banco falir… Os investidores tem garantia de até R$ 250 mil

O lugar mais seguro para se guardar dinheiro certamente não é por baixo do colchão e você há de concordar com isso. O assunto já foi até tema de novela. Ah, e nem mesmo no forno, embaixo do sofá, no porta-malas do carro… Nada disso!

O lugar mais seguro para poupar dinheiro é em um banco. Mas, o que acontece com o dinheiro caso o banco vá a falência ou decrete fechamento das portas? Essa é uma dúvida que muitas pessoas têm.

Real-Moeda Nacional

Mesmo porque guardamos o nosso dinheiro onde temos confiança e uma quebra da instituição como um todo com certeza não está nos planos. Mas, fique tranquilo que nem tudo está perdido.

A regra é que se você não ter mais do que R$ 250 mil no banco, os seus problemas acabaram. Existe um Fundo Garantidor de Crédito, o FGC, que garante a devolução até esse valor a qualquer pessoa que tenha o dinheiro no banco.

O que é o Fundo Garantidor de Crédito?

O Fundo Garantidor de Créditos é uma entidade privada que não tem nenhum fim lucrativo que foi criado em 1995, em uma resolução do Conselho Monetário Nacional.

Ele fica encarregado de administrar e utilizar os recursos em caso de uma instituição financeira sofrer algum tipo de intervenção do Banco Central ou ter uma situação de falência, cabendo a ele ressarcir os investidores e correntistas.

Vale ressaltar que o FGC cobre até R$ 250 mil por CPF e em caso de contas conjuntas, o valor é dividido entre todas as partes, sendo que cada CPF também é limitado a R$ 1 milhão pelo período de 4 anos em vários bancos.

Isso quer dizer que se dentro desse período a pessoa tiver R$ 250 mil em 5 bancos diferentes e eles forem todos a falência (o que representaria um colapso), você receberá apenas R$ 1 milhão, sendo esse o limite máximo.

Em quanto tempo o FGC paga o valor?

Não existe um prazo certo para que o pagamento seja liberado e tudo irá depender de algumas informações passadas pelo liquidante ou interventor do banco, como por exemplo, uma lista com todos os credores da instituição.

Após ter acesso a isso, aí sim existe um prazo, que é de 15 dias. Mas, geralmente (em casos que já aconteceram), o prazo total fica em torno de 2 meses.

E também é importante ressaltar que existe o pagamento de Imposto de Renda no caso do pagamento do FGC e ele varia conforme o tipo da sua aplicação. Caso o valor seja em um modelo LCI, aí não será cobrado, pois é isento, obviamente.

Quais os bancos que fazem parte do FGC?

Todos os bancos públicos ou privados fazem parte do FGC.

Pois a associação é obrigatória para qualquer instituição financeira que tenha serviços oferecidos aos clientes como poupança, depósitos, conta corrente, depósitos a prazos CDB ou RDB, letras de crédito agronegócio, imobiliário e de Câmbio.

Na lista do FGC, estão todos os bancos comerciais, de investimento, múltiplos e de desenvolvimento, além de sociedades de créditos e muito mais.