Cidade do Japão cria um guia de etiquetas para turistas

Respeito as tradições resume bem o povo japonês. No Japão, a cidade de Quioto, começou uma campanha de educação através de um guia de etiquetas para turistas. Esse guia contém além de doces, comidas típicas e até lanternas de papel. Tudo isso para ensinar turistas como se portar no histórico bairro de Gion.

Frequentemente haviam reclamações por parte de lojistas e clientes quanto ao comportamento de certos turistas. Por isso, o conselho local de Gion decidiu atacar esse problema com cortesia. O objetivo é direcionar e instruir melhor os visitantes que, eventualmente, acabam cometendo excessos e desrespeitando monumentos e pessoas.

Cidade do Japão cria um guia de etiquetas para turistas
Cidade do Japão cria um guia de etiquetas para turistas

Dessa forma, foi criada então a cartilha de bons modos pelos estudantes da Escola de Design da Universidade de Quioto. Juntamente com a cartilha vêem outros itens como guloseimas e brindes. A cartilha foi escrita em chinês, japonês e também inglês. O trabalho de distribuição da cartilha ficou por conta de policiais, aprendizes de gueixas e estudantes. Eles foram especialmente treinados para essa tarefa.

Quais informações estão no guia de etiquetas do Japão?

O conteúdo do guia de etiquetas é bem variado. Tem desde mensagens e pedidos comuns para não se sentar ou fumar na rua a coisas mais específicas como: pedir autorização para tirar selfies com as gueixas de Gion ou proibições para nunca tocá-las sem permissão. Se ficou curioso com esse guia veja aqui uma cópia dele.

Existem muitas outras recomendações no guia como manter sanitários limpos, não furar fila, evitar cancelar reservas nos restaurantes sem aviso prévio e jogar o lixo nas lixeiras. Vindo do povo japonês só nos confirma ainda mais como eles são organizados e metódicos.

Guia de etiquetas japonês ajuda a educar

Desde 2017 o Departamento de Turismo de Quioto vêem fazendo esse trabalho de conscientização dos turistas. O guia é baseado na palavra local “akimahen” que significa “é proibido”, representada com gráficos felizes e com promoções em vídeos em sites populares e nas tv’s espalhadas pela cidade.

Já haviam sido instaladas câmeras para impedir que turistas tivessem acesso a locais proibidos, entretanto, essa medida não surtiu muito efeito. Até mesmo um sistema de áudio em várias línguas fica rodando o tempo todo, para lembrar os turistas de não desobedecerem as regras da cidade. De qualquer forma, essas estratégias não surtiram tiveram êxito.

Receber turistas em massa é uma coisa bem nova para os japoneses. O Japão já chegou a ter uma visitação record em 2018 de 31 milhões de pessoas. A pouco menos de 5 anos esse número era de 10 milhões, principalmente do leste asiático.

Existe uma meta fixada pela Organização de Turismo do Japão que é atingir uma visitação de 40 milhões de pessoas em 2020 pois neste ano o Japão sediará os Jogos Olímpicos.

E se o kit boas maneiras falhar?

Contudo, se esse kit de bons modos falhar, Quioto já fala em limitar o número de turistas na cidade bem como em seus territórios históricos. Por outro lado, um projeto ainda experimental coletou informações do fluxo de turistas no distrito de Arashiyama em novembro e dezembro do ano passado visando melhorar essa situação. Temos muito a aprender com o Japão não acham?

Visite nossa sessão “Viagens” para saber mais.