A cultura da beleza

Publicidade

Beleza e Estética

estética

Publicidade

A cultura da beleza tem levado muitas pessoas, principalmente as mais jovens, a seguirem por caminhos quem em muitas vezes põe em risco a própria saúde. Claro que é importante se sentir bem, o que não significa fazer disso uma lei, na qual só estará feliz se estiver bonita (o).

O culto a beleza existe e faz parte do conceito da humanidade, não dá para se enganar e dizer que isso é besteira ou que não se está nem aí para esse assunto. É perfeitamente natural querer cuidar da aparência, mas o que não se pode permitir é aceitar, ou melhor; se fechar para o mundo quando o espelho não está dizendo o que se quer ver, que é a ditadura de um modelo de beleza perfeita. Isso não existe. As imperfeições fazem parte do ser. Uma sobrancelha um pouquinho mais fina que a outra, uma manchinha na pele (que não tenha nenhuma relação com patologias), um dedo maior que outro e até uns quilinhos a mais ou gordura localizada.

Antes de ver o espelho como um grande inimigo, e olha que não é exagero, tem gente que apenas se olha rapidamente, mas não se contempla, deve entender que a autoestima é muito importante sim, mas ela não pode estar
refém de uma imagem distorcida que foi introduzida na mente por conceitos ditados por uma era social. Para entender melhor essa colocação, vamos analisar o que se considerava como padrão de beleza na Europa, na idade média. Basta para isso, consultar um livro de história com fotos da época ou mesmo nos quadros de grandes artistas para ver como as curvas e as mulheres mais cheiínhas eram admiradas.

A busca pela cirurgia plástica

Antes de pensar em fazer qualquer procedimento cirúrgico para aperfeiçoar a plástica, é necessário avaliar se essa reparação ou lipo é verdadeiramente precisa, ou se está em busca de efeito rápido apenas por vaidade
que logo passa e se quer fazer mais e mais cirurgias plásticas.

Publicidade

Nada contra as cirurgias, é que na maioria das vezes, o paciente fabrica um ideal de felicidade que não está ali.

Uma coisa é certa, é preciso se aceitar, se admirar como exatamente está de frente para o espelho e aprender a se amar. Só a auto aceitação pode fazer isso, entendendo que pode sim melhorar o que quiser, sem
que com isso, seja ao mesmo tempo prisioneiro e algoz dentro de si mesmo.

Levante, admita suas qualidades e saia. Vá para uma academia, faça caminhadas, ande de bicicleta, cuide da pele, coma melhor com mais qualidade, sorria, faça amigos e seja feliz.

 

Silvia Baptista

Autora e roteirista, com livros, webs novelas e artigos na bagagem. Presta com consultoria em gestão de mídias e treinamento de formação profissional.

Um comentário em “A cultura da beleza

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *