Vou Construir um Castelo

Hoje quero falar dum ingrediente que, em minha opinião, nos ajuda a viver uma vida plena, realizada, sejam quais forem as derrotas, desgostos, obstáculos que sempre teremos de enfrentar. Ninguém nos garantiu que viver seria fácil. Nem mesmo Deus o prometeu. Viver é uma aventura tremenda e acredito que ser feliz é sempre a prioridade de cada ser humano, mas para isso é preciso desejarmos «construir um castelo», em vez de nos contentarmos em viver numa cabana. Eu explico, mas primeiro queria que lessem o poema que se segue:

 

Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não
esqueço de que a minha vida é a maior empresa do mundo e que posso evitar que
ela vá à falência.
Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de  todos os desafios,
incompreensões e períodos de crise.
Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e tornar-se um autor da própria
história.
É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no
recôndito da sua alma.
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.
Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos.
É saber falar de si mesmo.
É ter coragem para ouvir um “não”.
É ter segurança para receber uma critica, mesmo que injusta.
Pedras no caminho? Guardo todas, um dia vou construir um castelo…”

Fernando Pessoa

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

 

Recebi este poema por e-mail e transcrevo-o tal como chegou até mim.. Sinceramente não me parece de Pessoa, mas o que diz é tao pessoal, belo e profundo, que o decidi partilhar. Nem sempre recebemos «mensagens» com corpo e sobretudo com alma, como esta, seja quem for o autor. Do muito que tem para comentar tenho de eleger alguns pontos. Como de costume os que mais me tocam na vida, no dia a dia.

Curiosamente esta semana, nas minhas aulas – para quem não sabe sou professora de Inglês – dei-me conta, uma vez mais, como as pessoas, sobretudo os jovens, têm uma imensa dificuldade em falar de sentimentos íntimos, em identificá-los, em saber até o significado de algumas palavras que os traduzem. E já não falo em Inglês, porque se o meu objetivo foi ensinar palavras que definem a personalidade e a capacidade de sentir, ao passarmos para a noção em português, nem por isso as coisas melhoraram: «angústia», «compaixão», «desespero», «medo», «apatia», «inquietude», «dúvidas», enfim uma imensa panóplia de sentimentos que as pessoas têm dificuldade em traduzir em exemplos reais. Quando me senti assim? Sei dizê-lo por palavras? Sei identificar o que anda a bulir cá dentro? Sei perceber a profundidade da minha dor ou da minha alegria, da minha esperança ou do meu desespero? Estou «vivo» e consciente do milagre da vida? Sei, ao menos, porque me sinto como sinto?

Parece fácil, mas não é. Porque quem o sabe fazer ousa ser autor da própria vida. Sem julgamentos, sem espanto, sem preconceitos. E poucos, muito poucos se atrevem a tal ousadia. Só quem o faz ousa assumir o que sente, seja qual for o preço a pagar. Nada, absolutamente nada, é tão importante como os sentimentos. São eles que nos elevam ou destroem. São eles que medem a qualidade da nossa vida e a tornam insossa ou cheia de tempero. São eles que nos traem e nos trazem o céu ou o inferno para os braços. São eles e só eles que nos quebram as asas da alma, ou nos fazem voar nas asas de um sonho.

Assumir sentir e viver o cálice dos sentimentos até à última gota, significa ultrapassar o medo e arriscar pisar o solo do desconhecido, num inconformismo militante. A caminhada é totalmente solitária: ninguém pode viver nada de verdadeiramente importante na nossa vez. Ninguém pode chorar na nossa vez quando a perda, a morte, o desanimo ou a injustiça nos envolvem; ninguém pode sentir o coração explodir de alegria na nossa vez, como quando estamos apaixonados, entusiasmados com um sonho, envolvidos num desafio, enfeitiçados por um pôr do sol. A maioria das pessoas prefere viver num limbo amorfo, onde a rotina dita as regras e o comodismo emocional é calçado como os chinelos velhos de trazer por casa. Chamam a isso segurança e bom senso. Eu chamo-lhe viver «emparedado». Enganadoramente livres numa prisão assumida, onde não se passa nada, não há altos nem baixos, e as emoções mais fortes se resumem à novela da noite ou ao jogo de futebol a «correr» em nossa vez na televisão.

Diz o poema que ser feliz: «é atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da própria alma», o único local onde a felicidade faz ninho. Quantos de nós terão a coragem de o fazer? De mergulhar na alma, perceber o seu apelo e seguir o que nos pede, contra tudo e contra todos?

«Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos». É perceber que os sentimentos não são certos ou errados, são sentimentos. Que os sentimentos nos ajudam a escrever o guião da nossa vida, são como uma bússola interna que devemos consultar sempre que viajamos no reino da nossa alma. Que podemos até ignorá-los, mas corremos o risco de viver pela metade, perder oportunidades que, passando, demoram muito tempo a voltar, ou nunca mais voltam. Quantos sonhos possíveis deixamos morrer por medo de os assumir? Quantas vezes traímos esses sonhos por preconceitos, conformismo, medo, comodismo?

«Pedras no caminho? Guardo todas! Um dia vou construir um castelo» . Esta é a minha frase favorita. Diz-me que no meio das derrotas, dos erros e quedas, dos desafios e riscos assumidos, há sempre algo de precioso a aprender. Que todas as experiências são «pedras» ganhas, carregadas e somadas. Que só perde mesmo quem não as carrega, porque sem pedras também não há castelo, um castelo com enormes janelas para deixar entrar a luz, e sem portas, para que o sol e o mundo possa entrar ar dentro dele. Sem pedras em forma de sentimentos assumidos, não há perdas nem ganhos, não há riso nem lágrimas, não há paixão nem dor, não há erros nem vitórias, não há nada…e nada é pior que esse vazio existencial. Sim, eu quero construir um castelo…um dia, com toda as pedras que me rasgaram a alma, mas a tornaram um edifício que se ergueu, de dentro para fora. Meu, muito meu, mesmo que mais ninguém o consiga vislumbrar… e a isso eu chamo: VIVER!


Colunista
"Escrevo sobre a vida. O que nos torna a todos iguais, sendo diferentes. Escrevo sobre emoções, sobre motivação, sobre medos. Escrevo sobretudo acerca dos pormenores que podem fazer a diferença entre sermos felizes ou infelizes, porque a felicidade é sempre um somatório de pormenores positivos. Há lições intemporais, há mestres intempoais, mas ninguém aprende lições porque nos dizem para aprender. Tudo tem de ser sentido, tudo tem de ser vivido, mas nos acasos da vida, nas estórias partilhadas, encontramos ponteiros, sinais, que nos podem guiar e esclarecer. O meu grande objetivo é ser um ponteiro..apenas um ponteiro nas encruzilhadas fantásticas da existência humana , da qual todos fazemos parte, como uma realidade única. Esquecemos muitas vezes que o que cada um de nós faz, afeta o todo. Que ser um pouco mais feliz, ajuda o mundo a ser um pouco mais feliz também. E ser feliz no meio da rotina, dos problemas, das frustações, das injustiças, requer uma outra visão sobre a vida. Uma visão mais humilde, mas sábia, mais despojada, mais simples. São estes os sinais que gosto de partilhar, porque ninguém ensina ninguém, mas podemos escolher sempre querer aprender..."
Envie seu comentário

Por favor insira seu nome

Seu nome é requerido

Por favor insira seu email

Um email é requerido

Por favor entre uma mensagem

Customização por inflar.com Criação de Sites e design por WPShower. Política de Privacidade. Google+

Feito com WordPress.

Mais Conhecimento

Para Um Vida Melhor!

"O conhecimento torna a alma jovem e diminui a amargura da velhice. Colhe, pois, a sabedoria. Armazena suavidade para o amanhã." — Leonardo da Vinci
"Receber essas dicas é como fazer um curso gratuito de conhecimentos gerais! Obrigado!" — Nobre Leitor Dicazine